Como fazer perguntas poderosas e descobrir o que quiser

Casal se olhando e conversando

Você já se perguntou como algumas pessoas parecem ter sempre as perguntas certas para conseguir informações? Ou já se pegou dando uma informação que não planejava? Bem, a resposta é simples: existem perguntas poderosas para descobrir basicamente tudo o que você quiser!

Essa habilidade é conhecida por muitas pessoas, principalmente as que atuam em áreas humanas, como vendas e marketing. No entanto, saber fazer perguntas não é uma coisa exclusiva para profissionais. 

Você também pode treinar sua comunicação e aprender como descobrir as informações mais significativas com perguntas poderosas. Neste artigo, você vai descobrir o poder que mora na capacidade de perguntar e como aprimorar sua habilidade comunicativa para saber o que quiser! 

Tudo isso com uma ajudinha da psicologia, comportamento humano e claro, nossa grande amiga, a neurociência. Vamos lá?

O poder das perguntas certas

Dois homens tomando um café e conversando. Fazer as perguntas certas traz respostas mais precisas e poderosas.

Você pode estar se perguntando, afinal, qual pode ser o grande segredo em perguntar algo para alguém. Pois bem, as perguntas são mais do que simplesmente palavras, elas são como chaves que abrem portas. E para abrir as portas certas é preciso ter as chaves certas. 

Um detalhe importante para saber é que quando você pergunta algo, ativa regiões cerebrais que estão ligadas a curiosidade, ativando o processo cognitivo e analítico. 

Em outras palavras, você e a pessoa que está respondendo estão usando partes importantes do cérebro, o que torna a troca de informações um processo neural significativo.

Claro que esse processo acontece sem que você perceba, pois tudo acontece muito rápido, mas acredite: várias sinapses acontecem em apenas uma pergunta e uma resposta. 

Neurociência por trás das perguntas

A neurociência é o estudo de como o cérebro se comporta durante as atividades e através dela podemos entender melhor o que acontece com perguntas e respostas. Em primeiro lugar, é importante saber que o cérebro humano é programado para buscar informações e respostas de maneira automática. 

Quando você vê uma imagem, um rosto conhecido na multidão, por exemplo, seu cérebro fez uma varredura de rostos e automaticamente procurou, analisou e identificou aquela pessoa como conhecida. Da mesma maneira, ele analisou e identificou as demais pessoas como não conhecidas.

A mesma coisa acontece quando fazemos uma pergunta. Durante esse processo, os neurônios envolvidos produzem substâncias conhecidas como neurotransmissores, ativando, por exemplo, a curiosidade. 

Alguns dos neurotransmissores produzidos durante uma pergunta e resposta são a dopamina e a serotonina, ligadas respectivamente à motivação pela busca de informação e a satisfação de matar a curiosidade com uma resposta. 

É importante dizer que os estudos sobre comportamento humano são bastante complexos e não se sabe exatamente como e quantos neurotransmissores são liberados durante as interações sociais. 

5 dicas úteis para fazer perguntas poderosas

Duas mulheres sentadas em um sofá conversando. Perguntas poderosas ficam mais fáceis quando escutamos com atenção.

Agora que você entendeu um pouco mais sobre o processo biológico e científico que envolve o simples ato de fazer uma pergunta, chegou o momento do que interessa!
Com uma ajudinha das ciências humanas, você vai descobrir cinco dicas úteis e práticas para fazer perguntas poderosas e ser capaz de descobrir informações relevantes. 

Vamos lá?!?

Seja curioso 

A primeira dica é muito importante e tem tudo a ver com o que você aprendeu sobre a ciência por trás das perguntas! Ser curioso e começar a interação com a mentalidade certa, estando realmente interessado na resposta é a primeira coisa a se fazer para descobrir algo relevante. 

Isso cria uma conexão mais profunda, fazendo com que as palavras soem verdadeiras aos ouvidos do seu interlocutor.
Isso desperta nela a sensação de ser ouvida, de que sua resposta tem valor e esse é o primeiro passo para estabelecer confiança intuitiva para ter respostas reais. 

Perguntas abertas vs. fechadas

A segunda dica também é muito útil e requer um conhecimento adicional, pois você precisa saber diferenciar as perguntas abertas das fechadas.

As perguntas abertas são aquelas que exigem uma resposta mais explicativa e não podem ser respondidas apenas com “sim” e “não”. 

Já as perguntas fechadas, são perguntas mais diretas, que podem ser respondidas com monossílabas e não estimulam o seu interlocutor. 

Por exemplo, em vez de perguntar “você gosta desta cidade?”, pergunte “o que você mais gosta nesta cidade?”. Ou ainda, em vez de perguntar “gostaria de ir ao cinema comigo?”, pergunte “que filme você gostaria de assistir comigo no cinema hoje?”. 

E aí, notou a diferença?

Use palavras descritivas

Uma outra tática importante para formular perguntas poderosas é incluir informações detalhadas em suas perguntas.

Os detalhes tiram o cérebro do seu interlocutor do “modo automático”, exigindo uma reflexão e ativando a reciprocidade. Dessa maneira, a resposta é formulada igualmente com mais detalhes.

Por exemplo, em vez de perguntar “Como foi sua manhã”, pergunte “O que você fez durante a manhã?”. 

Na primeira resposta, a pessoa poderia responder que a manhã foi boa ou ruim, já na segunda, a pessoa vai compartilhar os acontecimentos de maneira mais detalhada.

Seja empático 

E empatia é uma das habilidades mais nobres para as interações humanas. Não só isso, também é uma das mais úteis.
Se colocar no lugar do seu interlocutor é uma ótima maneira de entender como ele se sente e como será mais confortável para responder uma pergunta. 

Ao ser verdadeiramente empático, você demonstra compreensão, causando a sensação de importância e acolhimento na outra pessoa. Em outras palavras, ela se sente importante e confortável para compartilhar as informações com você. 

Mostre empatia e compreensão em suas perguntas, pois isso desperta na outra pessoa o sentimento de estar à vontade para compartilhar.

Por exemplo, em vez de perguntar “Por que você agiu dessa forma?” você pode perguntar “Como você se sentiu quando isso aconteceu?”.

Aprofunde-se

Por último, mas não menos importante, a quinta dica é aprofundar-se. Quanto mais você aprofundar o assunto, mais a pessoa vai te entregar informações, pois ela vai se conectar com a conversa.

Quando você precisa de respostas importantes, é imprescindível sair do raso nas interações, portanto, não tenha medo de fazer perguntas de acompanhamento. 

Essas perguntas passam a sensação de que você realmente tem interesse no que a pessoa tem a dizer, além de provocar respostas mais amplas e abrangentes.

Um exemplo de perguntas de acompanhamento é, se alguém mencionar que teve um dia ruim, você pode perguntar “O que aconteceu para seu dia ser ruim?”.

A importância da escuta ativa

Saber escutar – Canal GNT

Agora que você aprendeu as cinco dicas para ser capaz de formular perguntas poderosas, vale acrescentar que ouvir também faz parte da comunicação. 

Isso porque para descobrir tudo o que você quer saber sem tornar a conversa um interrogatório, você precisa praticar a escuta ativa e processar as informações.

À medida que você analisa as respostas, novas informações podem ser necessárias, gerando novas perguntas ou perguntas de acompanhamento. 

Escutar ativamente seu interlocutor transmite confiança e interesse, despertando na pessoa a vontade de compartilhar mais.

Além disso, ouvir atentamente vai te ajudar a continuar conduzindo as perguntas poderosas na conversa de maneira natural e interessante. 

Perguntas poderosas: use com sabedoria

Duas mulheres sentadas, ao ar livre em uma floresta, diante de uma fogueira, conversando e tomando café. Perguntas poderosas tem o poder de melhorar as relações.

As perguntas são a forma mais natural de tirar dúvidas e não perguntar é um dos maiores problemas nas relações humanas, seja interpessoais e intrapessoais

Seja em um relacionamento com outra pessoa ou em uma dúvida profissional no seu emprego, saber fazer as perguntas certas é uma habilidade poderosa. 

Muitos dos problemas nas relações, erros de interpretação e até mesmo falhas ocupacionais acontecem simplesmente por não perguntar. 

Portanto, saber fazer perguntas é certamente uma habilidade necessária e que todos podem aprender a desenvolver. É preciso lembrar que não existe pergunta burra, mas as dúvidas que ficam guardadas podem gerar emburrecimento. 

No entanto, apenas perguntar pode não ser suficiente. Se você quer informações mais relevantes, é preciso lembrar da curiosidade genuína, fazer perguntas abertas, usar palavras descritivas, praticar a empatia e aprofundar as perguntas. 

Da mesma maneira, ouvir com atenção as pessoas e considerar suas respostas vão te colocar no caminho certo para descobrir tudo o que você quiser. 

Logo, não tenha vergonha de fazer perguntas, coloque em prática essas dicas, use essa habilidade poderosa com sabedoria e com certeza você vai melhorar sua comunicação.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Previous Post
Duas mulheres conversando e gesticulando.

Comunicação não verbal: como decifrar gestos e expressões

Next Post
Notebook aberto com emails representando a comunicação escrita moderna

Comunicação escrita: 3 dicas para mensagens claras

Related Posts